terça-feira, 29 de novembro de 2011

Doce, nem sempre...

O mês mais doce do ano está acabando...

Foram todas as sexta-feiras azuis e agora continuamos nossa caminhada...

Estamos fazendo 6 meses de diabetes no dia 01/12, e nem começamos a engatinhar!!!!

Olhando para trás nossa vida deu uma volta de 360º graus, foram tantas mudanças, adaptações, picadinhas, choros, stress, termos novos que nunca tínhamos ouvido falar antes, sem falar na rotina de medições e todos os cuidados.

No início parece que o diabetes tomou conta de nossa vida, só olhamos para ele e o resto????? Posso afirmar foi muito muito estressante, parece que não tinha olhos para mais nada. Mais ai passa um dia, dois, uma semana.... e parece que as coisas vão se ajeitando.

Descobrimos um mundo novo, e vamos criando uma rotina, dando conta do recado. Parece estranho dizer isso, mas hoje não consigo imaginar mais nossos dias sem o diabetes.

Aprendemos tantas coisas além dos cuidados... ser mais humanos, olhar para o próximo com mais carinho, acordar sem reclamar para cuidar do João,  sorrir no meio da noite quando o Julinho acorda e pede o "tetê" e fala "deita qui mamãe" e quando levanta e vê a gente com o lancetador e a insulina na mão fala "é do Tato!", naturalmente como tem que ser!!!

Antes parece que não dava tanta importância para esses pequenos detalhes, mas que agora me emociono só de pensar. Tem dias que fico muito brava com tudo, choro, tenho vontade de sumir e jogar tudo pro alto. São momentos que sei, fazem parte de tudo, mas ai lembro que não sou sozinha, tenho amigos e amigas passando pelo mesmo dilema. O que seria de mim sem as pessoas ao meu redor, sem esse blog e tantos outros, sem o facebook onde trocamos muitas vivências. Gente vocês não sabem como isso é bom, encontrar essas pessoas pessoalmente então é impagável....

Esse é um pequeno instante de melancolia, que vai passar, mas precisava de uma maneira meio "torta" escrever um pouco do que estou sentindo...

Doce novembro, doce diabetes, doce vida!!!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Última Blue Fridays - Compreensão!

Se tem uma lição que a vida ensina desde cedo é que não estamos aqui à passeio ou pura diversão.

Passamos por momentos difíceis, que nos desestabilizam, mas que se soubermos extrair ensinamentos, nos fortalecem.

Nessas horas, precisamos muito do apoio dos amigos, da família, dos colegas de trabalho e até mesmo da empresa onde prestamos serviço.

Desde que o diabetes passou a fazer parte da nossa vida, recebemos apoio de todos, mas hoje em especial gostaria de destacar o apoio recebido no meu trabalho.

Como já disse antes, o João Pedro estuda na escola onde trabalho há 11 anos. Isso por si só já facilita um pouco, porque passo boa parte do dia próximo a ele e posso acompanhar o seu cotidiano.

Porém, nos momentos mais difíceis, como o da descoberta, pude contar com uma compreensão que a maioria das mães que trabalham fora não recebem.

Todos os momentos que precisei me ausentar para exames e consultas ao médico com o João Pedro foram entendidas por todos e principalmente pela Direção da Escola.

Todas as horas em que me desequilibrei emocionalmente fui amparada e isso foi muito importante durante todo o processo de aceitação e entendimento.

Os amiguinhos do João Pedro também foram fundamentais, encarando com naturalidade e fazendo-o sentir-se "normal" com sempre foi e será!

Além do nosso agradecimento a todos, gostaria de levantar essa questão da mãe trabalhadora que precisa cuidar da saúde de seus filhos e não tem a mesma sorte que tenho.

É muito difícil saber que seu filho precisa de você e você não pode por estar trabalhando, é angustiante.

Espero que com a humanização do trabalho haja mais compreensão nesse aspecto e que as mamães possam como eu conciliar sua vida profissional com suas atribuições maternas.

Fica aqui o meu agradecimento e do João Pedro à Direção do Colégio Atlântico por entenderem o quanto precisamos um do outro. E também aos meus amigos de trabalho, principalmente a Luciana e Dilma, aos colegas de classe do João Pedro e à todos que nos ajudaram e continuam ajudando.
sala de aula do João Pedro

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Ação Blogueiros - BD

Ontem foi um dia atípico. Peguei o ônibus as 5h30 para ir a São Paulo participar de um encontro sobre diabetes.
Jacqueline, Lu, Mariana, Euzinha, Paula, Luciana, Nicole, Jo, Kath, Dani, Luana, Jorge
A organizadora do encontro foi a Cristiane Fernandes da X Press Comunicação, com a participação da Endocrinologista Mariana Porciúncula da UNIFESP, a Enfermeira Educacional Jacqueline Martins de Aguiar e a BD, que possui em seu site um Centro de  Educação em Diabetes, que atende também no telefone 0800-011-5097, sanando várias dúvidas sobre o assunto.

Foi uma manhã muito proveitosa conversamos sobre vários assuntos, incluindo: canetas, seringas, agulhas, insulinas, medicamentos, a diabetes e a gravidez, sobre o refluxo (quando volta a gotinha de insulina), lipodistrofia, os tipos de diabetes, entre outros.

O interessante é que mesmo sendo assuntos já conhecidos, sempre aprendemos um pouco mais com a experiência dos outros.

Agora o momento mais gostoso, foi conhecer pessoalmente quem só tinha contato on-line.

Marcaram presença, a  Paula Sanchez / Blog da Saúde, a Jo Gomes / Diabetes & Deleites, o Jorge Freire / Nerd Pai,  e lógico que não podia faltar a "panelinha": Nicole Lagonegro / Doce Vittoria e o Diabetes, Dani Yumi / Diabetes e daí?Luciana Oncken / Viver com Diabetes, Luana Alves / A Diabetes e Eu, Kath Paloma / Diabetes & Você. (Adorei conhecer todas vcs!!!)
"Panelinha"
Fica a dica para que outras empresas se espelhem na BD e promovam encontros salutares como este!

Foi gratificante participar deste momento, adquiri, conhecimento, vivência e principalmente me senti acolhida dentro de um círculo azul chamado: AMIZADE!!!!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Mais um amiguinho DM1


Nós conhecemos a família do Maurício depois do diagnóstico do João Pedro, nos tornamos amigos! Eles também moram aqui em Piracicaba, leiam o relato da mãe dele, para saber um pouco de sua história...


Oi, meu nome é Rosa e eu sou a mãe do Mauricio. Meu bebê, hoje com 7 anos, é DM1 desde 1 ano e 5 meses.

Nós descobrimos essa doença em nosso filho da pior forma possível, quando sua vida esteve em risco. Tudo aconteceu quando ele começou a sentir uma falta de ar, causada pela acidose muito alta, e uma pediatra inexperiente - que não quis ouvir nossas suspeitas de diabetes - o internou com suspeita de bronco pneumonia, colocando-o no soro glicosado por 12 horas. Isso ocasionou um emagrecimento de 4 quilos em 12 horas e um coma diabético!

Mas não pensem que não apontamos a nossa suspeita de diabetes, mas os médicos acharam que era bobagem e não nos deram atenção até que o pior aconteceu. O Maurício ficou em coma por dois dias!

Na hora, o que escutei do médico foi: seu filho está em coma! Mãe, vamos fazer o que puder para salvar o seu filho.

Meu mundo desmoronou, meu filho entrou na UTI e só pude vê-lo 6 horas depois. Desde então lutamos contra essa doença,o pâncreas do Mauricio não produz nada de insulina, então andar de bicicleta e fazer caminhadas é só para o bem estar dele mas não o ajuda a baixar a glicemia; isso foi provado por exames laboratoriais, que dizem que uma criança diabética, na época, com 5 anos, deveria no mínimo produzir 2% de insulina e o meu filho só produz 0,001%.

Um outro exame foi realizado na cidade de Sorocaba, para saber o porquê das hipoglicemias constantes. Lá ele colocou um aparelho chamado router preso no seu abdome, sob a pele, que ficava monitorando suas atividades 24 horas por dia por 5 dias na semana. Ele então faz uso da insulina lantus 1 vez por dia e da insulina novorapid antes de cada refeição e para correção sempre que necessário, o dextro de 6 a 8 vezes por dia mas tudo isso ele tira de letra! Ele mesmo já faz o exame na escola sozinho e aplica a insulina.

Nesses 5 anos e 9 meses ele já teve 2 convulsões devido às hipoglicemias, então posso dizer que o diabetes do meu filho não é controlável e isso deixa os médicos confusos e a mim, como mãe, mais ainda, pois se nesse momento ele tiver com uma hipoglicemia 25, daqui à 2 horas ele pode estar com 400 e vice versa.

É uma luta constante e as vezes bate um desânimo muito grande. Quando isso acontece, eu conto com uma palavra amiga e encontro forças para continuar lutando pois ele mesmo sempre me diz que um dia Deus vai curá-lo.


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

3ª Sexta-Feira Azul - Tudo Azul

Este relato é do Adolpho, marido da Lurdinha que trabalha comigo, levou o "Azul" para Universidade.

TUDO AZUL
Quando fui convidado para colaborar na campanha de esclarecimentos sobre o diabetes, no blog do João Pedro e me vestir de azul, logo pensei na colaboração dos meus alunos do Curso do 1º Semestre de Publicidade da Universidade Presbiteriana Mackenzie/SP. 
Primeiro, porque foi uma das melhores classes com quem trabalhei. Turma muito animada, de gente correta e com muita sensibilidade para as questões contemporâneas. Tinha levantado com eles, numa determinada aula, a importância sobre a realização de campanhas sociais através da publicidade. O fato de nos vestirmos de azul e tirarmos as fotos para a campanha - já que no dia 14 de novembro,todos os anos, comemoramos o Dia Mundial do Diabetes-, foi um jeito gostoso, simples, fácil e muito legal de fazer na prática o que a teoria sugere. 
Todos gostaram muito da experiência. Que para eles esta seja a primeira de muitas campanhas de cunho social que enfrentarão, criarão e participarão ao longo das suas trajetórias profissionais. 
Estreamos de azul. E que a carreira de todos eles seja bem sucedida também, são os meus mais sinceros desejos.
Prof Adolpho Queiroz
Curso de Publicidade e Propaganda
Universidade Presbiteriana Mackenzie/SP



Obrigada pessoal por participarem! 
Silvia

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Diabetes tipo 2

Encontrei este site por acaso Minha Vida, e li uma matéria que esclarece de maneira simples o diabetes tipo 2, veja abaixo:

Tire suas dúvidas sobre diabetes do tipo 2

Na maioria dos casos esse tipo de diabetes pode ser controlado
Aproveito que hoje é o Dia Mundial da Diabetes, para escrever um artigo especial para quem tem essa doença. Gostaria de começar explicando algo que poucos não sabem: a diabetes do tipo 2, que corresponde a mais de 90% dois casos da doença, é virtualmente 100% evitável e pode ser tratada sem medicações na imensa maioria dos casos. Essa é uma boa notícia para quase todos, pois com alimentação correta e exercício pode se eliminar Diabetes completamente.

Muito do que ouvimos falar sobre diabetes pode estar incorreto. Há uma enorme quantidade de desinformação circulando sobre essa doença epidérmica. Por causa desse problema, grande parte dos pacientes que tem essa doença não sabe o que fazer para reverter o problema e aproximadamente 50% deles nem sabem que tem a doença.

A falta de informação pode ser considerada um dos motivos para que as taxas de diabetes, tanto de adultos como de crianças, venha aumentando de forma descontrolado. Hoje, acredita-se que um em cada quatro americanos ou tem diabetes ou é pré-diabético. No Brasil, estima-se que 15 milhões de pessoas sofram com a doença.

Apesar da epidemia de indivíduos diagnosticados com diabetes, precisamos ter consciência de que é uma doença perfeitamente previsível, e, se for do tipo 2, normalmente curável se você seguir algumas medidas simples, novos ajustes de estilo de vida que irão restaurar a sua sensibilidade à insulina e leptina. Os sintomas normalmente são:
- sede excessiva
- náuseas e vômitos
- visão alterada (turva)
- cansaço aumentado
- irritabilidade
- muita fome (mesmo após se alimentar)
- alteração de peso para mais ou para menos
- dificuldade de cicatrização de feridas
- formigamentos nas mãos/ e ou pés

Mas, antes de falar mais sobre a doença, é preciso deixar claro que diabetes do tipos 2 é bem diferente da diabetes do tipo 1.

Nenhuma medicação no caso vai controlar a diabetes a não ser que você faça mudanças de estilo de vida.

Diabetes tipo 1 e tipo 2: Qual a diferença ?

Diabetes (também conhecida como diabetes melitus) é uma condição crônica tradicionalmente marcada pelo alto nível de glicose no seu sangue. A do tipo tipo 1 é conhecida como diabetes insulino-dependente (também conhecida como diabetes juvenil), e a tipo 2 conhecida como não insulino dependente (ou do adulto).

No caso da diabetes tipo 1, é o sistema imunológico que destrói as células do pâncreas que produzem insulina, resultando em completa deficiência do hormônio insulina, responsável por quebrar a glicose no sangue e garantir energia ao corpo. Ela normalmente se manifesta antes dos 20 anos de idade, e, infelizmente, ainda não tem cura conhecida. Por isso, a suplementação de insulina é fundamental para que a pessoa tenha uma boa saúde.

Entretanto, pesquisas recentes tem mostrado uma preocupação com o fato de se evitar a exposição ao sol, como sendo um fator estimulador do desenvolvimento do diabetes tipo 1. As mães, portanto, podem evitar esse risco em suas crianças melhorando os níveis de vitamina D com exposição ao sol ou suplementação vitamínica

Já a diabetes tipo 2 , ou não insulino-dependente, é a forma mais comum da doença afetando 90 a 95% dos diabéticos e é completamente prevenível e na maioria dos casos é curável.

Caso você tenha diabetes tipo 2, o seu corpo está produzindo insulina mas não consegue reconhece-la e usá-la apropriadamente. Esse é um estágio que chamamos de resistência à insulina.

Nesse caso, mesmo que a insulina seja produzida, ela é inadequada e, por isso, o açúcar não pode chegar às suas células, se acumulando na corrente sanguínea, causando vários problemas. É por isso que as pessoas com diabetes têm altas taxas de açúcar sanguíneo.

Sabendo disso, podemos dizer que a diabetes do tipo 2 não é a doença do açúcar no sangue como muito se fala. Ela é, na verdade, a doença dos sinalizadores da sensibilidade à insulina e leptina.

Leptina e insulina Esses dois hormônios são essenciais para a quebra de insulina, por isso, é importante falar de cada um deles.

A leptina é um hormônio produzido nas células gordurosas, e um dos seus papéis básicos é regular o apetite e seu peso corpóreo. Ele informa o seu cérebro quando comer, quanto comer, e principalmente quando parar de comer. Além disso, a leptina diz ao seu cérebro o que fazer com a energia que gera, e é responsável pela eficiência da sensibilidade à insulina.

Já a insulina tem como principal papel depositar energia extra conseguida a partir da quebra de açúcar. Quando o seu açúcar sanguíneo se torna elevado, a liberação de insulina é no sentido de depositar energia extra.Uma pequena parte é estocada como glicogênio, mas a reserva energética principal é como gordura.

Portanto, o papel principal da insulina não é baixar o seu açúcar sanguíneo. O efeito da insulina de baixar o açúcar sanguíneo é um efeito colateral desse processo de depósito energético. É por isso que os tratamentos para diabetes que só visam diminuir o açúcar sanguíneo podem na verdade piorar em vez de corrigir o problema de má comunicação metabólica.

Usar insulina pode ser uma das piores atitudes para tratar o diabetes tipo 2, pois ela pode estar na verdade piorando a sua sensibilidade à insulina e a leptina no transcorrer do tempo. Além disso, a elevação da insulina está associada a diversas doenças como:
- doença cardíaca
- câncer
- obesidade
- derrame
- doença vascular periférica

A mensagem real para você levar para casa é que nenhuma medicação no caso vai resolver a sua vida a não ser que você tenha em mente como linha de frente de ataque, mudanças de estilo de vida. Perder peso, aumentar a intensidade de atividade física, e melhorar os seus hábitos alimentares vão levá-lo ao melhor controle da diabetes e diminuir os riscos de doença cardíaca.
 

Se você gostou, leia mais sobre o assunto em Minha Vida.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

DIA MUNDIAL DO DIABETES

14 DE NOVEMBRO 
DIA MUNDIAL DO DIABETES

Você que conhece já sabe!

Mas para quem não conhece e não sabe, lá vai!

Este é o João Pedro, tem 7 anos e SIM é diabético.

Para ele ter diabetes é:

-  usar insulina diariamente;
- medir glicemias, várias vezes ao dia;
- praticar exercícios, principalmente jogar futebol que ele adora;
- comer doces, moderadamente é claro;
- uma alimentação balanceada, como qualquer criança deve ter,
- brincar, pular, correr, sorrir, cantar, como você!


TER DIABETES É TER QUALIDADE DE VIDA!!!

sábado, 12 de novembro de 2011

Diabetes e o emocional

Nós estamos de volta para mais uma postagem sobre o mês AZUL!

Vamos falar hoje um pouco das emoções que sentimos no momento da descoberta.

Quando se é diagnosticado com diabetes geralmente parece que o "mundo caiu em nossa cabeça", várias peguntas passam por nossa mente: O que fazer em primeiro lugar? Como lidar com isso? Será que o meu filho vai viver ou morrer? São tantos conflitos íntimos que nos sentimos pequenos demais frente ao futuro.

Podemos ter um sentimento de derrota, de revolta, de raiva e muito mais, mas com o passar dos dias passamos a entender melhor esse furação que em primeiro momento nos devasta.

O primeiro passo para trabalharmos todas essas emoções contraditórias é aceitar e entender o diabetes com todas as suas implicações, não é o fim do mundo, temos o poder sim de ter uma vida normal com os cuidados exigidos.

Cada pessoa tem o seu tempo para digerir essas emoções, mas no final todos acabam entendendo que com a chegada do diabetes, melhoramos em muito a nossa qualidade de vida, tanto física quanto emocional.

O apoio de familiares, amigos e pessoas próximas é fundamental para ajustar as nossas emoções, nós sem exceção recebemos muito disso de todos nossos amigos, familiares e até pessoas que não conhecíamos, essa força do bem, nos fortalece e nos anima a continuarmos nossa caminhada.

Conheçam algumas dessas pessoas que não são azuis, mas fazem toda diferença em nossa vida:

da esquerda pra direita
Luciana, Tchaula, Goreth, Raquel, Deborah, Mari, Vanisa, Adriana (professora do João), Vania 

Janaína, Bebê (tb de azul), Tiago

Luciane

Adolfo e Lurdinha

Danilo, Goreth, Raquel, Vanisa, Mari

Carina
 Esses são alguns dos amigos que trabalham comigo na escola e convivem diariamente com o João, a primeira foto são todas as professoras do período vespertino. Temos um carinho especial por todos, sem a presença de vocês a nossa vida  não seria tão feliz!

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Seminário Cidadão do Futuro sobre a Primeira Infância

Ocorreu em Brasília nos dias 26 e 27 de outubro, o Seminário do Futuro sobre a Primeira Infância.
O seminário visa à apresentação e debate de proposta para a integração das políticas e programas voltados para a primeira infância, com vistas à construção de protocolo básico para o atendimento a esse segmento da população, bem como a divulgação e o exame das inovações já introduzidas nessa área pelas três esferas de governo.

O conteúdo discutido no Seminário está disponível nas mídias, também pode ser acessado nesse endereço

Agora você me pergunta, o que isso tem haver com diabetes? Eu respondo, tudo!

A Cláudia Filatro presidente da ONG Pró-Crianças e Jovens Diabéticos, esteve presente neste evento, e teve a oportunidade de conversar com a Ministra dos Direitos Humanos Maria do Rosário e com a Secretária Nacional dos Direitos da Criança, sobre a causa da criança com diabetes sendo que as mesmas prometeram ajuda para as crianças com diabetes de todo Brasil.

A Ministra foi presenteada com ursinho de pelúcia com diabetes, representando todas as nossas doces crianças, o qual segundo ela ficará decorando seu gabinete, para que ela não se esqueça das crianças com diabetes.
 
Interessante que a Ministra imediatamente mostrou o ursinho com diabetes para o Ministro de Assuntos Estratégicos Moreira Franco e para o Subsecretário de Assuntos Estratégicos do Governo Federal o qual está a frente dos trabalhos para a Primeira Infância.

Neste momento a ONG Pró-Crianças e Jovens Diabéticos está trabalhando num Relatório, sobre as necessidades das crianças com diabetes para ser apresentado a Ministra.

Caso queiram contribuir de alguma forma enviando sugestões de quais direitos gostariam que fosse garantidos, favor enviar para: claudiafilatro@hotmail.com ou sil_onofre@hotmail.com

Vamos ficar na torcida para que consigamos garantir mais direitos para nossas doces crianças!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

AZUL PELO DIABETES

Estamos aproveitando o mês de novembro, também chamado carinhosamente de mês AZUL, para compartilharmos um pouco do que sabemos sobre o diabetes.

O diabetes está cada vez mais presente em nossas vidas, são vários casos a cada hora, então a importância de saber mais sobre esta deficiência é cada vez maior. Informação nunca é demais!

Diabetes nada mais é do que açúcar no sangue,ou seja a glicose não é metabolizada pelas células devido à produção insuficiente do hormônio insulina pelo pâncreas.

Quais são os sintomas??? Como saber???

Se sabemos o funcionamento adequado de nosso organismo, quando aparecem os sintomas descobrimos rapidamente, através de um exame laboratorial. São esses:

- muita sede;
- urina em excesso;
- emagrecimento sem motivo aparente;
- visão embaçada ou borrada;
- entre outros...

O que fazer quando diagnosticado com diabetes? O primeiro passo é saber qual o tipo:
- Diabtes tipo 1, mais comum em bebês, crianças e jovens, conhecido como DM1 ou insulino-dependente, ou seja é obrigatória a aplicação de insulina, seja através da caneta ou seringa, devido a produção insuficiente de insulina pelo pâncreas.

- Diabetes tipo 2, mais comum em adultos devido ao fator obesidade, também acomete crianças pelo mesmo motivo, aqui ocorre a produção de insulina, mas o organismo não consegue metabolizar totalmente a glicose. É tratada através de medicamentos, em alguns casos é feito o uso da insulina injetável.

- Diabetes Gestacional, ocorre na gravidez, com os devidos cuidados a gestante tem uma gravidez tranquila.

Em seguida precisamos de um tratamento que inclui:

- testes de glicemias;
- aplicação de insulina;
- alimentação adequada;
- prática de exercícios físicos;

ou seja uma vida saudável como todos nós devemos ter.

E você já vestiu AZUL???
Por hoje ficamos por aqui, até a próxima postagem!