terça-feira, 21 de maio de 2013

Tratamento.. o melhor é..

Qual o melhor tratamento para o diabetes tipo 1?


Com certeza, aquele que mantêm um bom controle glicêmico e no qual você se adapta!!

É fundamental a compreensão do tratamento:

No diabetes tipo 1, como o pâncreas não produz insulina, e este é um hormônio essencial à vida, o tratamento é necessariamente com reposição de insulina.

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas. Por ser uma proteína, ela não pode ser ingerida por via oral, pois, nesse caso, seria digerida pelas enzimas do aparelho digestivo.

Para o controle adequado são necessárias tanto uma insulina de ação lenta (controla a glicemia de jejum e entre as refeições) quanto uma insulina de ação rápida (controla a glicemia após a refeição).

Principais tipos de Insulina:

Existem insulinas humanas e análogas.
As insulinas humanas (NPH e Regular) têm estrutura molecular semelhante à insulina produzida pelo pâncreas humano.
As insulinas análogas tiveram a sua estrutura molecular modificada, com o objetivo de alcançar um perfil de ação mais próximo do fisiológico.
Existem análogos de ação lenta, rápida ou bifásica.

Para cada paciente, uma determinada insulina é mais adequada. Essa é uma decisão do médico, de acordo com cada caso. O importante é a busca do bom controle glicêmico.
(Fonte: Novo Nordisk)


Para aplicar a insulina temos os seguintes instrumentos:


1- Seringas

A escolha da seringa deve ser feita de acordo com a dose (quantidade) de insulina recomendada pelo médico:

1. Seringas com capacidade para 100 unidades de insulina: para quem utiliza quantidades superiores a 50 unidades por aplicação;

2. Seringas com capacidade para até 50 unidades de insulina: é a mais adequada para quem utiliza quantidades inferiores a 50 unidades por aplicação;

3. Seringas com capacidade para até 30 unidades de insulina: é a melhor opção para quem utiliza quantidades inferiores a 30 unidades por aplicação.

As seringas têm escala de graduação em unidades, acompanhando a concentração da insulina que também é em unidades (U-100):

Seringas com graduação de 2 em 2 unidades, ou seja, cada traço (linha) corresponde a 2 unidades.

Seringas com graduação de 1 em 1 unidade, ou seja, cada traço corresponde a 1 unidade.

2- Canetas de Aplicação de Insulina

O uso de canetas de aplicação facilita a administração de insulina e
proporciona maior flexibilidade e comodidade no tratamento.

Técnica de aplicação com canetas:

• Retirar a tampa da caneta;

• Colocar o refil no corpo da caneta (instruções detalhadas sobre a colocação do refil constam no manual das canetas);

• Rosquear a agulha para caneta na ponta do refil;

• Selecionar 2 unidades e pressione completamente o botão injetor. Repetir a operação até o aparecimento de uma gota de insulina na ponta da agulha;

• Selecionar o número de unidades de insulina necessárias;

• Introduzir a agulha no subcutâneo;

• Pressionar o botão injetor;

• Após a administração, aguardar 5 segundos antes de retirar a agulha;

• Retirar a agulha, pressionar o local por mais 5 segundos;

• Retirar e descartar a agulha utilizada;

• Recolocar a tampa da caneta;

• Guardar a caneta em uso em temperatura ambiente (nunca poderá ser guardada no refrigerador, com exceção das descartáveis).

3- Bomba de insulina

A bomba de insulina é usada externamente, sendo conectada ao corpo através de uma cânula e um conjunto de infusão e utilizando as insulinas de ação ultrarrápida (Humalog, Novorapid e Apidra). A bomba funciona 24 horas por dia, liberando insulina através de uma programação estabelecida de uma taxa basal (insulina que corre durante todo o dia), acompanhada de liberação de insulina em todas as refeições (bolus alimentares).

Pré-requisitos para utilizar a bomba:

- Disposição para monitorar e registrar as glicemias 6 a 8 vezes ao dia ou mais;

- Disposição para contagem de carboidratos em todas as refeições;

- Habilidade para manusear a bomba;

- Acompanhamento por equipe multidisciplinar com experiência com bomba de insulina;

- Equilíbrio emocional.
(Fonte: Espaço Diabetes)

Então é isso.. não existe o melhor ou o pior tratamento para o diabetes.

Somente seu médico e você juntos, poderão saber qual o melhor tratamento para manter um bom controle glicêmico e que se adapte ao seu estilo de vida!


sábado, 18 de maio de 2013

Diabetes.. um estilo de vida?

A forma como vivemos o diabetes pode ser descrita como um estilo de vida?

A definição para estilo de vida segundo o dicionário é:

Estilo de vida é uma expressão moderna que se refere à estratificação da sociedade por meio de aspectos comportamentais, expressos geralmente sob a forma de padrões de consumo, rotinas,hábitos ou uma forma de vida adaptada ao dia-a-dia. Sua determinação entretanto não foge às regras da formação e diferenciação das culturas: a adaptação ao meio ambiente e aos outros homens. Estilo de vida é a forma pela qual uma pessoa ou um grupo de pessoas vivenciam o mundo e, em consequência, se comportam e fazem escolhas.

Analisando o que está descrito acima, tudo se encaixa com o diabetes.. enquanto isso nesta foto..


Temos quatro adultos e três crianças.. se eu não apontar quem tem diabetes vai ser difícil saber.. dois adultos e duas crianças são diabéticos. Quem tem diabetes não é diferente de ninguém, o diabetes não salta aos olhos.. todos aqui temos nossas semelhanças e diferenças como pessoa.

Então se temos diferentes vivências e comportamentos, podemos ter escolhas  no diabetes.. ou seja DIAbetes é sim um estilo de vida e cada qual tem o seu!!


É isso, tudo depende da forma no 'olhar' sobre o diabetes!

terça-feira, 7 de maio de 2013

Mãe de todas as formas!

No ano passado fiz uma homenagem para várias mães.. neste não estou inspirada.. mas queria deixar um pequeno texto pra não passar a data em branco.

Li várias mensagens prontas, mas nenhuma me tocou.. estou aprendendo a ser seletiva e estou ficando chata... ihh já viu né..

Aí ai ai.. esses dias estou numa fase boba pra vida.. mas vamos lá!

Bom vou falar um pouquinho do que toda mamãe vive em seu dia a dia, seja mãe de uma criança típica ou não.. filho é filho de qualquer jeito e mãe é mãe!

Nossa como definir o que sinto ao ser mãe.. as vezes um sentimento que transcende a alma de tanto amor.. mas vezes também uma vontade de sumir e ficar quietinha, ter um tempo só pra si..

A partir do momento em que nos tornamos mães, somos dois, três, quatro, mas nunca mais um só, somos únicas, mas aprendemos a ser bilaterais e 'trilaterais'..

Cuidamos, brincamos, trabalhamos, levamos pra passear e fazemos com o maior prazer, mesmo nas horas de birras.

Assim como nos sentimos o ser mais especial, temos momentos de alegrias e euforia também nos sentimos péssimas, acabadas, choramos.. mas aí olhamos pra nossos pequenos e nos reinventamos, das cinzas surge um novo ser, mais forte e melhor a cada dia!

Somos mães, somos humanas, somos mulheres, somos guerreiras e além de tudo mamãe pâncreas 24hs, como conseguimos? Olhando esses momentos.. nem preciso responder..





É isso.. uma mensagem meio torta, mas de coração!

Fica aqui os meus parabéns, meu feliz dia, não só domingo mas em todos os momentos de cada dia para essas mulheres incríveis!

E um carinho especial para as mamães pâncreas que além de tudo.. conseguem escrever num blog, participam de grupos e encontros, buscam informações na madrugada a fio, somente com o intuito de ajudar e fazer a diferença na vida de alguém!

Para vc Mãe de todas as formas, o melhor que a vida tem pra te oferecer, a alegria e o encanto de ser simplesmente mãe!

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Diabetes - Informação sempre!

Na escola em que o  João estuda, dia 04/05 (sábado)  teve a apresentação e exposição dos projetos realizados pelos alunos do 1º ao 9º anos do Ensino Fundamental.

O tema geral foi "Valores da Nossa Terra" e cada sala teve um subtema, o do 7º ano foi "Valorizando a Saúde". Um grupo de meninas falou sobre diabetes.

Quem visitou essa sala recebeu uma explicação rápida sobre diabetes e pode realizar o teste de glicemia, foi uma maneira simples e prática que encontramos de falar sobre o assunto. 

Fiz esse folder bem básico para distribuir, uma amiga querida que nem preciso citar o nome me deu umas dicas, né Nic! Obrigada! - para abrir clique aqui.



Alguns detalhes que as meninas montaram..









Aqui a foto das lindas garotas! E na outra foto é a minha tia de coração, uma das primeiras a fazer o teste, só pra constar ela é hipoglicêmica.



No geral realizamos em torno de 80 testes de glicemia, todos dentro das normas, teve somente um caso com valor acima de 200, era diabetes tipo 2 e já está em tratamento, a pessoa disse que esse número é constatante no meio da tarde, passei algumas orientações e falei pra conversar com o médico. 

As meninas arrasaram na explicação sobre as metas de glicemia e a diferença entre tipo 1 e 2! Parabéns garotas pelo empenho!

Não poderia perder essa oportunidade de informar sobre o dm, um trabalho de formiguinha que faz a diferença!