terça-feira, 21 de maio de 2013

Tratamento.. o melhor é..

Qual o melhor tratamento para o diabetes tipo 1?


Com certeza, aquele que mantêm um bom controle glicêmico e no qual você se adapta!!

É fundamental a compreensão do tratamento:

No diabetes tipo 1, como o pâncreas não produz insulina, e este é um hormônio essencial à vida, o tratamento é necessariamente com reposição de insulina.

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas. Por ser uma proteína, ela não pode ser ingerida por via oral, pois, nesse caso, seria digerida pelas enzimas do aparelho digestivo.

Para o controle adequado são necessárias tanto uma insulina de ação lenta (controla a glicemia de jejum e entre as refeições) quanto uma insulina de ação rápida (controla a glicemia após a refeição).

Principais tipos de Insulina:

Existem insulinas humanas e análogas.
As insulinas humanas (NPH e Regular) têm estrutura molecular semelhante à insulina produzida pelo pâncreas humano.
As insulinas análogas tiveram a sua estrutura molecular modificada, com o objetivo de alcançar um perfil de ação mais próximo do fisiológico.
Existem análogos de ação lenta, rápida ou bifásica.

Para cada paciente, uma determinada insulina é mais adequada. Essa é uma decisão do médico, de acordo com cada caso. O importante é a busca do bom controle glicêmico.
(Fonte: Novo Nordisk)


Para aplicar a insulina temos os seguintes instrumentos:


1- Seringas

A escolha da seringa deve ser feita de acordo com a dose (quantidade) de insulina recomendada pelo médico:

1. Seringas com capacidade para 100 unidades de insulina: para quem utiliza quantidades superiores a 50 unidades por aplicação;

2. Seringas com capacidade para até 50 unidades de insulina: é a mais adequada para quem utiliza quantidades inferiores a 50 unidades por aplicação;

3. Seringas com capacidade para até 30 unidades de insulina: é a melhor opção para quem utiliza quantidades inferiores a 30 unidades por aplicação.

As seringas têm escala de graduação em unidades, acompanhando a concentração da insulina que também é em unidades (U-100):

Seringas com graduação de 2 em 2 unidades, ou seja, cada traço (linha) corresponde a 2 unidades.

Seringas com graduação de 1 em 1 unidade, ou seja, cada traço corresponde a 1 unidade.

2- Canetas de Aplicação de Insulina

O uso de canetas de aplicação facilita a administração de insulina e
proporciona maior flexibilidade e comodidade no tratamento.

Técnica de aplicação com canetas:

• Retirar a tampa da caneta;

• Colocar o refil no corpo da caneta (instruções detalhadas sobre a colocação do refil constam no manual das canetas);

• Rosquear a agulha para caneta na ponta do refil;

• Selecionar 2 unidades e pressione completamente o botão injetor. Repetir a operação até o aparecimento de uma gota de insulina na ponta da agulha;

• Selecionar o número de unidades de insulina necessárias;

• Introduzir a agulha no subcutâneo;

• Pressionar o botão injetor;

• Após a administração, aguardar 5 segundos antes de retirar a agulha;

• Retirar a agulha, pressionar o local por mais 5 segundos;

• Retirar e descartar a agulha utilizada;

• Recolocar a tampa da caneta;

• Guardar a caneta em uso em temperatura ambiente (nunca poderá ser guardada no refrigerador, com exceção das descartáveis).

3- Bomba de insulina

A bomba de insulina é usada externamente, sendo conectada ao corpo através de uma cânula e um conjunto de infusão e utilizando as insulinas de ação ultrarrápida (Humalog, Novorapid e Apidra). A bomba funciona 24 horas por dia, liberando insulina através de uma programação estabelecida de uma taxa basal (insulina que corre durante todo o dia), acompanhada de liberação de insulina em todas as refeições (bolus alimentares).

Pré-requisitos para utilizar a bomba:

- Disposição para monitorar e registrar as glicemias 6 a 8 vezes ao dia ou mais;

- Disposição para contagem de carboidratos em todas as refeições;

- Habilidade para manusear a bomba;

- Acompanhamento por equipe multidisciplinar com experiência com bomba de insulina;

- Equilíbrio emocional.
(Fonte: Espaço Diabetes)

Então é isso.. não existe o melhor ou o pior tratamento para o diabetes.

Somente seu médico e você juntos, poderão saber qual o melhor tratamento para manter um bom controle glicêmico e que se adapte ao seu estilo de vida!


3 comentários:

  1. Concordo amiga, pra ser o melhor, antes tem que ser bom para o usuário. Adorei o post, muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  2. Confirmamos a inscrição deste blog para o I Encontro Nacional de Blogueiros e Ativistas em Redes Sociais da Saúde
    Data: 08/06/2013 das 08 as 17 horas.
    O encontro acontece na Câmara Municipal de Vereadores de SP "Palácio Anchieta"
    Endereço: Viaduto Jacareí, 100 - Centro de SP/SP
    Metrô + próximo é o Anhangabaú
    Estacionamentos próximos.
    Confira a programação completa aqui: http://www.blogueirosdasaude.org.br/p/programacao-0800-hs.html
    Iniciaremos as 08 horas da manhã com um o cadastro, entrega dos crachás e um descontraído "Café com Blogueiros"e pontualmente as 9 horas iniciaremos as atividades da programação.
    Certificado com horas aula serão distribuídos ao fim da última palestra.
    Lançaremos um inovador projeto no final deste encontro.
    Contamos com a sua presença.
    Ps: Estamos na reta final, nos ajude na divulgação, convide seus amigos ativistas e blogueiros da saúde!!
    Abraços
    Priscila Torres
    Coordenadora do Blogueiros da Saúde
    www.blogueirosdasaude.org.br
    webmaster@blogueirosdasaude.org.br

    ResponderExcluir
  3. Olá,

    Sou jornalista e estou fazendo uma pesquisa com pacientes de diabetes e familiares.

    Envio para vocês o link e peço para se possível compartilharem.

    goo.gl/59KJU

    Obrigada!

    ResponderExcluir