sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Qual o seu sentimento quando chega o aniversário de diabetes e como seu filho reage ao mesmo?

Esses dias a Laura, filha da Yara, uma amiga do coração que mora lá na França [quem lê o blog, já viu alguns posts dela por aqui..] fez aniversário de 2 anos de diabetes. A Yara postou o seguinte em seu perfil do Facebook:

“Outro aniversário: 2 anos de diabetes.
Minha primeira suspeita, dia 23/01/2011 e os terríveis 356 de glicemia de jejum que confirmaram tudo no dia 25/01/2011, jogaram água abaixo a possibilidade de não ser diabetes. Consulta na urgência, transferência em ambulância a um outro hospital, 24h em cuidados intensivos, mais 10 dias de hospital.
Depois disso, estamos casados, eu e o diabetes. Sem chance de divórcio. E já que é assim, tentamos fazer da melhor maneira possível, pra minha lindinha, para que ela saiba que todos temos coisas difíceis a passar na vida, que ela compreenda que essa é só mais uma delas, e que possamos fazer o melhor possível.
Com muito mais experiência hoje que há um ano, não posso deixar de pensar em umas situações que vivi aqui no face, com 2 colegas de faculdade, que não entendiam minha angustia, minhas dificuldades. Hoje eu sei mais do que nunca quanto eu tinha razão dessa angustia, dessa procura meio desesperada por soluções mais adaptadas, e principalmente que eu tinha o direito de passar por isso, ter meu tempo para uma melhor aceitação. Aceitei, mais ou menos. Mas nunca vou poder dizer que é fácil, que é simples. Sou outra pessoa hoje, até bem melhor em algumas coisas. Mas daria tudo por poder ter minha filha sem essa doença. Mas aceitei sim. E estou bem melhor pra lutar por ela. E o mais importante, com altos e baixos, ela esta bem. Também com a ajuda dos grupos daqui, quando a gente entende que não somos as únicas, e que não estamos sós nessa luta.”

Sempre tem alguém fazendo aniversário de diabetes, o que sentimos vai da maneira como aceitamos e encaramos o dm, cada ser humano é um. Mas temos que levar em consideração como conduzimos nossos sentimentos em relação ao diabetes perante nossos filhos, pois irá refletir diretamente no sucesso ou no fracasso do tratamento.

Veja outro post da Yara no Facebook...

“Olha que fofo: resolvi explicar um pouco algumas coisas de saúde pra Laura (4 anos e meio, DM1). Perguntei se ela sabia o que era saúde, ela disse: "é estar bem". Pausa. "mas a minha... com o diabetes..." (tipo: não é tão boa). Antes que eu comece a intervir, a irmã, Júlia (10 anos) disse rapidamente: "Laura, ter diabetes não significa que sua saúde não é boa. É só cuidar direitinho e sua saúde é e continuará muito boa" :-)
Lágrimas nos olhos!”


Com esse post não quero mostrar que todos tem que sentir do mesmo jeito e ser iguais, cada um tem seu tempo para aceitar e agir da melhor maneira. Só quero despertar a atenção.. que nossos filhos nos têm como exemplo, a semente que estamos plantando na educação em diabetes, será o futuro deles! 

Agora me conte... Qual o seu sentimento quando chega o aniversário de diabetes e como seu filho reage ao mesmo?

6 comentários:

  1. Ler este post, mexeu comigo. Este ano em Junho meu filho Iago fará 2 anos de Diabetes, ficamos muito abalados com a descoberta, no início pensei que não iria sobreviver, mas hoje vejo que com um tratamento bem feito ele poderá ter uma "vida normal". Outro dia uma pessoa falou que o Iago era doente, eu não concordei, eu disse que ele tem apenas uma deficiência no pancrêas, mas com o tratamento correto ele é uma criança saudável. Costumo comparar a uma pessoa que usa óculos, ela só consegue ver se usar o óculos, os nossos filhos precisa da insulina para ter uma vida normal. Parabéns pelo post, continue nos ajudando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciene vc está no caminho certo!
      O diabetes não limita e tenha sempre em mente o que importa é que nossos filhos são felizes independente de sua condição.
      Fica bem!
      Beijo pra vc e pro Iago

      Excluir
  2. É Luciene, a gente se sente melhor vendo q nossos sentimentos sao meio q universais. Nao é fácil, mas com certeza temos q simplificar a vida deles e fazê-lá o mais normal possível. Nao ter diabetes nao garante felicidade p ninguém. O que conta é a cabecinha deles! E isso a gente pode ajudar mto! Beijo, Yara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Yara pela colaboração mais uma vez!
      Vc é demais!
      Um Beijo

      Excluir
  3. Eu nem conto mais a idade do meu diagnóstico, esse ano contei em especial por ser idade de Cristo... Ver a simplicidade como o tema é tratado pela Yara e pelas meninas, nos ajudar a vencer essa batalha diária...

    ResponderExcluir